Connect with us

Celebridades

Gusttavo Lima revela que quase desistiu de cantar

Publicado

em

Gusttavo Lima participou de uma entrevista com Léo Dias nesta quinta-feira (4) e relembrou sua infância pobre e um momento em sua carreira no qual quase desistiu de cantar.

Ele diz que perdeu a casa enquanto ainda era criança: “A gente morou três meses debaixo de um pé de manga. Minha casa pegou fogo. Meu irmão botou fogo brincando. Não tinha energia elétrica, não tinha luz, era lamparina, que você colocava querosene, um pavio e colocava o fogo ali e iluminava a casa inteira a noite toda. Não tinha geladeira. Não tinha fogão. Era fogão à lenha”.

Ele continua: “A carne que a gente comia ficava em uma lata, era carne de porco conservada na manteiga do porco que meu pai trabalhava para comprar e minha mãe colocava um pedacinho no prato de cada um porque se colocasse a mais não dava porque era menino demais. Oito filhos! Era menino para dar com o pau”.

Sobre o incêndio, ele disse: “Chegou a lamparina [e ele brincou com fogo] e a parede era de madeira com barro. Mas minha mãe sempre foi muito asseada, cuidadosa. Era uma casinha simples, mas muito asseada e certinha. Foi uma infância difícil, mas feliz. Hoje só tenho gratidão! Em 2014 eu quebrei. Depois de já ser um sucesso nacional, naquele momento também já internacional… Morei de aluguel”.

Ele falou sobre perdas: “Perdi minha irmã em 2012 e a minha mãe em 2015. Foi uma porrada atrás da outra. Quando eu estava fazendo de 30 a 32 shows por mês, estava no interior de São Paulo fazendo show, o telefone toca às duas da manhã. E eu sempre durmo muito tarde. Peguei no sono e meu irmão que trabalhava comigo na época ligou e falou: ‘Gustavo, levanta aí que preciso conversar com você. A Luciana, nossa irmã, acabou de falecer’. Fiquei sem reação, sem saber o que fazia. Estava fazendo 30 shows por mês e nem sabia o que estava vivendo porque era praticamente um boneco. Me colocavam em cima do palco e eu cantava. Eu não tinha nem noção de nada e comecei a ver as coisas de uma forma diferente”.

Ele diz que os dois eram apegados: “Eu sou o caçula e ela era acima de mim e sou o padrinho da Laurinha, que é a filha dela que quando ela faleceu tinha um ano. Falei: ‘cara, do que adianta isso aqui tudo, dinheiro, sucesso? Eu perdi uma pessoa que eu amo…’ Cara, não consegui ir no velório da minha irmã. Por quê? Compromisso, agenda. Eu fui ao funeral, mas não fui ao enterro. Porque à noite eu tinha um show para cumprir. Aquele show foi a gota d´água. Ali minha cabeça foi a mil. Não adianta ter tudo se você não está com seu pai, seus irmãos, as pessoas que você ama”.

“Falei que não ia cantar mais. Voltei para a casa dos meus pais na roça, em Presidente Olegário (MG). Depois de uma semana, todo mundo estava desesperado, shows vendidos o ano inteiro. Aí chegaram uns cinco atrás de mim e me convenceram de novo. Mas eu estava disposto a abandonar tudo. Naquele momento a única coisa que eu não queria que falassem comigo era de música. A gente só dá valor depois que perde e fica com uma culpa gigantesca, que, se você não tiver Deus e pessoas boas do seu lado, você cai em depressão”, continua.

Continuar Leitura
Clique para deixar um comentário

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Celebridades

Claudia Leitte é chamada de genocida no Twitter após show em São Paulo

Publicado

em

O nome de Claudia Leitte, 41, ficou entre os assuntos mais comentados do Twitter no Brasil neste domingo (28). No entanto, a causa não foi positiva, a hashtag #ClaudiaLeitteGenocida teve destaque um dia após a cantora apresentar o trio elétrico Blow Out, no estacionamento do Espaço das Américas, em São Paulo.

O Instagram da cantora informou neste sábado (27) que o show respeitaria os cuidados para conter proliferação da Covid-19. “Evento realizado com limitação de público, exigência de comprovante de vacina e outras exigências sanitárias estabelecidas pela secretaria de saúde de São Paulo”, dizia a publicação com uma foto de Leitte pronta para subir no trio.

As imagens do bloco da cantora, porém, contrastavam com a informação, já que era possível ver uma grande aglomeração formada por pessoas sem máscaras, o que não é permitido na capital paulista. A previsão é que a população possa abdicar do item em ambientes abertos somente a partir do dia 11 de dezembro.

Entre elogios de famosos como Giovanna Antonelli, Susana Vieira e Fabiana Karla começaram a surgir críticas de internautas. “Ué, achei que ainda estávamos em pandemia”, escreveu uma. “Primeiro um stories com máscara nos bastidores, pra depois aglomerar enfim a hipocrisia”, falou outra.

No Twitter os comentários condenando a atitude da cantora ganharam força. “O show da Claudia Leitte ontem em SP já pode ser considerado como o marco do retorno à normalidade? Ou, para as igrejas e escolas, o distanciamento e as máscaras continuam?”, perguntou um.

Já outro internauta questionou a seletividade dos ataques. “A tag ‘Claudia Leitte Genocida” nos trends, mas não vi ninguém subindo essa tag pra atacar outros cantores que já estão fazendo vários shows com mega aglomeração, um monte de macho fazendo isso e ninguém fala nada!!! Parem de ser hipócritas, seus m**s”, esbravejou.

Outro relembrou que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), já se aglomerava no auge da pandemia e muitos dos que estavam criticando a cantora pela apresentação não disseram nada. “Festa da Claudia Leitte com exigência de comprovante de vacinação não pode, mas o Bolsonaro aglomerar em época que nem vacina tinha pode né? Hipocrisia da p**, bolsominions são burros e incoerentes. Governo de m**”.

Continuar Leitura

Celebridades

Deolane Bezerra: cachê da doutora vaza e divide opiniões na web. Descubra o valor

Publicado

em

Deolane Bezerra está mesmo “estourada”, como ela costuma dizer. A irmã da doutora, Dayanne Bezerra, vazou uma conversa entre as duas em que a esposa de MC Kevin, que deu uma das festas mais badaladas do ano no começo do mês, revela o valor do cachê para presença vip: R$ 150 mil reais por apenas duas horas.

Dayanne participava de uma corrente popular no Instagram, onde as pessoas pedem para ver detalhes do celular do usuário. Um seguidor solicitou prints da última conversa com Deolane, onde ela expunha o quanto cobra para realizar eventos.

“Qual é o valor da presença da Deolane em um aniversário? É em Campo Verde, Mato Grosso. Faz? Se sim, qual valor?”, dizia a mensagem encaminhada por Dayanne. Ela prontamente respondeu: “R$ 150 [mil], duas horas”. Horas depois, a advogada ainda recusou um lanche de uma famosa rede de fast food, oferecido pela irmã. Na manhã desta quarta-feira (24), o print já havia sido apagado.

Continuar Leitura

Celebridades

Luciano Camargo entra na Justiça para impedir Netflix de citá-lo em série sobre Zezé

Publicado

em

A série da Netflix É o Amor: Família Camargo, que será estrelada por Zezé Di Camargo e Wanessa, nem bem estreou e já está gerando problemas. Segundo informações e Leo Dias, do site Metrópoles, Luciano Camargo, irmã e dupla com Zezé, entrou com uma liminar na Justiça para impedir que a plataforma de streaming – responsável pela produção – utilize imagens suas nos episódios.

Ainda de acordo com o colunista, o motivo de Luciano fazer isso é pela questão financeira. Zezé e Wanessa assinaram um contrato milionário com a plataforma de streaming para a produção da série. Ele, não. Com isso, teria achado injusto aparecer no projeto sem receber nada para isso.

Procurado pela coluna de Leo Dias, Luciano Camargo disse que prefere não se manifestar sobre o assunto.

A série documental estreia em 9 de dezembro deste ano. As gravações foram realizadas, em grande parte, na fazenda da família, em Goiás. É o Amor: Família Camargo registra momentos de intimidade entre Zezé Di Camargo e a filha, Wanessa, além de outros familiares.

Continuar Leitura

Em alta