Connect with us

Anápolis

Funcionário é demitido por justa causa após chamar colega para transar em Anápolis

Publicado

em

Um funcionário de uma empresa de alimentos teve a demissão por justa causa mantida, pelo Tribunal Regional do Trabalho em Goiás (TRT-18), depois de trancar uma colega de profissão em um galpão do estabelecimento e chamá-la para ter relação sexual. Caso ocorreu, em Anápolis, a 55 quilômetros da capital goiana.

A Justiça negou pedido dele para anular a dispensa e classificou o caso como assédio sexual. Na decisão, a Segunda Turma do TRT em Goiás manteve a dispensa do trabalhador, por unanimidade.

Em julgamento este mês, o colegiado seguiu voto do relator, desembargador Platon Azevedo Filho. A relatoria decidiu manter ordem determinada antes pelo Juízo da 2ª Vara do Trabalho em Anápolis com o objetivo de reprimir a conduta de um assediador.

O trabalhador recorreu ao TRT-18 para tentar reverter a sentença que manteve a modalidade de demissão por justa causa. O Juízo da 2ª Vara do Trabalho de Anápolis (GO) entendeu que as provas colhidas no processo evidenciaram a prática da conduta descrita no artigo 482, alínea “b”, da CLT. O dispositivo prevê que a “incontinência de conduta ou mau procedimento” é justa causa para rescisão contratual e ocorre quando há incompatibilidade com a moral sexual do empregado ou ato ofensor à ética.

O ex-funcionário alegou que as provas dos autos demonstram a inexistência de um procedimento para investigar a falta grave. Afirmou que a sentença foi parcial ao considerar como prova o depoimento da suposta vítima, diante da clara isenção de ânimo para depor como testemunha.

O relator, desembargador Platon Azevedo Filho, ao iniciar o voto, observou que a dispensa por justa causa é a modalidade de resolução contratual caracterizada pela prática de falta grave cometida pelo empregado. “E, por ser a punição máxima aplicável na relação de emprego, requer prova robusta do ato ilícito imputado ao trabalhador, cujo ônus é da empresa”, afirmou.

O magistrado considerou que a comprovação do assédio sexual é de extrema dificuldade, porque se trata de conduta que normalmente se pratica às escondidas. Platon Filho citou entendimento do Tribunal Superior do Trabalho (TST) no sentido de ser necessário observar todos os elementos dos autos, inclusive as declarações da vítima e os indícios relatados por testemunhas, com o objetivo de concluir se houve ou não a prática do ilícito.

O desembargador ponderou que as testemunhas apresentadas pela empresa de alimentos não foram contraditadas pela defesa do autor em audiência. Esse fato afastaria a alegação do trabalhador de que os depoimentos das testemunhas foram maculados com o intuito de imputar a ele uma falsa conduta, para justificar a pena aplicada.

Platon Filho ressaltou que os tribunais têm conferido relevância ao interrogatório da vítima, sempre que haja um mínimo de provas. O relator disse que, no caso do recurso, as provas nos autos são incontestáveis. O magistrado observou que os depoimentos das testemunhas apresentadas pela empresa foram incisivas em confirmar o assédio sexual praticado pelo reclamante.

O desembargador considerou que a empresa conseguiu comprovar o fato que lhe competia. Por isso, afirmou que a sentença estava correta ao julgar improcedente o pedido de reversão da justa causa aplicada ao trabalhador. Ao final, o relator negou provimento ao recurso.

Consta no processo que o trabalhador e a trabalhadora eram funcionários da mesma empresa de alimentos. Durante o treinamento da funcionária, o ex-empregado levou a colega para realizarem a coleta dos produtos com o objetivo de explicar a forma de realização da tarefa. Assim, seguiram para um dos armazéns da empresa. Após entrarem no galpão, o ex-funcionário trancou a porta e retirou as chaves.

A partir disso, o trabalhador chamou a colega para irem ao fundo do galpão para terem relação sexual. A funcionária recusou e pediu ao colega para destrancar a porta. Nesse momento, a vítima visualizou que o trabalhador estava excitado. Ele tentou colocar o braço da vítima nas partes íntimas dele. Assim, ela passou a ameaçar que gritaria por ajuda. O ex-funcionário, após a resistência da vítima, desistiu da situação e pediu que ela não contasse o fato para ninguém.

Continuar Leitura
Clique para deixar um comentário

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Anápolis

Jibóia foi capturada pelo Corpo de Bombeiros em Anápolis

Publicado

em

Uma cobra jiboia foi resgatada por Bombeiros da 2ª Companhia Independente de Busca e Salvamento (CIBM). A captura do animal silvestre aconteceu na tarde de quarta-feira (26) em uma residência no setor Anexo Itamaraty, em Anápolis.

A jiboia estava no quintal do imóvel. Ao notar a presença do animal, um morador acionou o 193. “Por não apresentar lesão aparente, a cobra foi solta em uma área de mata”, diz o corpo de Bombeiros. O tamanho da serpente não foi divulgado.

Muitas pessoas acreditam que a jiboia é venenosa. Há até mesmo uma crença de que ela é venenosa durante alguns meses do ano. No entanto, isso não é verdade, pois as jiboias não apresentam glândulas de veneno, nem dentes inoculadores.

Ela é considerada a segunda maior espécie do território nacional, ficando atrás apenas da sucuri. Essas serpentes são muito temidas pelo seu grande porte.

Com informações do Mais Anápolis

Continuar Leitura

Anápolis

Fundo Municipal de Cultura (FMC) de Anápolis, que conta com o investimento de 900 mil reais

Publicado

em

A riqueza da produção musical para além das tendências em voga por grandes gravadoras e marcas é um dos focos do investimento do Fundo Municipal de Cultura (FMC) de Anápolis, que conta com o investimento de 900 mil reais e está com inscrições abertas até o próximo dia 11 de fevereiro. Com o mecanismo de fomento, artistas anapolinos têm oportunidades de produção e difusão de seus trabalhos, além de contribuir com o desenvolvimento da música e dos músicos locais. O FMC é da Prefeitura de Anápolis, por meio da Secretaria Municipal de Integração Social, Esporte e Cultura.

“Entregar este trabalho é muito gratificante, é a vontade de projetar a música autoral anapolina para cada vez mais longe”, aposta o músico Luccas Sena, de 22 anos, já contemplado com recursos do Fundo. Ele circulou desde 2017 com a banda anapolina Velho Cerrado, de estilo ligado ao rock independente, percorrendo festivais e casas artísticas segmentados em cidades de Goiás e Rio Grande do Sul. Após um ciclo apresentando-se em grupo, Luccas segue para um novo momento em sua caminhada artística: um trabalho solo. O EP “Algumas cenas e outras coisas” tem cinco músicas e, no contexto atual da difusão fonográfica, será disponibilizado em plataformas digitais como o Spotify e Youtube.

Desde 2015, Flávio Roberto, 31 anos, tem desenvolvido interpretações de blues e soul brasileiro em mostras musicais, bares e restaurantes, dentro e fora de Anápolis. Ele conta com trabalhos autorais, mas sua maior atuação é na interpretação de temas emblemáticos nacionais e internacionais. Junto à baterista Ingrid Bahia e o baixista Lineu Lucas, tem se apresentado como Flavio Robbie Trio. Através do edital do FMC 2020, tiveram a oportunidade de apresentar um projeto, no último mês de novembro, com lives pelas redes sociais e uma oficina sobre o processo de criação do grupo. “Baseado na principal forma de difusão do trabalho musical, ampliamos uma apresentação que seria em um lugar físico para nível global, ou seja, pessoas de qualquer lugar do mundo assistiram e poderão ter acesso a estes shows temáticos”, explica Flávio.

Grupos, duplas ou artistas solo como Zé Franco, Maryzu Braga, Lauro Almeida e outros músicos conhecidos localmente já foram contemplados pelo FMC difundindo seus trabalhos. “Ninguém melhor que o artista para saber os rumos a serem tomados para que sua arte seja promissora e quando é dada a oportunidade para avançar, o ganho é de toda a comunidade e da classe cultural”, aponta a secretária de Integração Social, Esporte e Cultura, Andréa Lins. Os formatos de projetos disponibilizados para o Fundo ofereceram diferentes elementos da cadeia musical para projetar a música local, como também gerar intercâmbios com artistas vindos de outras localidades. São estes elementos os festivais, gravações de álbuns, produção de videoclipes, circulação, oficinas, entre outros.

Continuar Leitura

Anápolis

Escolas Municipais de Anápolis retornam com aulas presenciais para 37 mil estudantes

Publicado

em

Os 37 mil estudantes das escolas e Cmeis do município retornaram às aulas nesta segunda-feira, 24, de forma 100% presencial, obedecendo todas as medidas de segurança, como uso de máscara, álcool em gel, distanciamento físico e o avanço da vacinação infantil. Enquanto professores e demais profissionais da educação davam boas-vindas aos pequenos, uma equipe da Companhia Municipal de Trânsito, Transportes e Serviços Urbanos (CMTT) realizou ação da campanha Trânsito Seguro nas Escolas, com intuito de conscientizar toda a comunidade escolar sobre a importância do respeito às leis de trânsito e fazer uma volta às aulas mais segura.

A professora Amanda Cristina acredita que o retorno em formato 100% presencial é muito importante, principalmente para fortalecer a aprendizagem. “O contato direto com o professor e com os colegas faz toda a diferença na aprendizagem do aluno, porque a escola não é só transmissão de conteúdo, como também local de interação, troca de conhecimento e de experiência”, afirma a pedagoga.

Manuela Araújo, estudante do 5° ano da Escola Municipal Luiz Carlos Bizinotto, não conseguiu conter a felicidade em estar de volta à escola. “Eu gostei muito de encontrar meus amigos e professores. Estava com saudade de assistir aula na escola e brincar nesse espaço tão gostoso”, conta a aluna.

Para Eerizania de Freitas, secretária municipal de Educação, o primeiro dia letivo do ano de 2022, com o retorno de 100% dos estudantes às aulas presenciais, é motivo de celebração. “Sabemos que um dos impactos causados pela pandemia são os prejuízos no processo de ensino, portanto, esse é o momento de sanarmos perdas e avançarmos em qualidade”, ressalta a secretária, que aponta as estratégias que têm sido adotadas como o programa Educa Anápolis, a criação do Núcleo de Alfabetização e o repasse do recurso de mais de R$ 900 mil pelo Programa de Autonomia das Instituições Educacionais (Pafie).

As escolas também foram palco para ações de educação no trânsito. “Com essa iniciativa, buscamos formar cidadãos mais conscientes e responsáveis, pois acreditamos que crianças que recebem educação no trânsito não somente terão menor probabilidade de sofrer algum tipo de acidente, como também se tornarão adultos responsáveis e com conhecimento das leis”, explica a gerente de Educação no Trânsito, Yasmini Gama.

A campanha foi aprovada pelo senhor Carmo Roberto Soares da Silva, 55 anos, avô do estudante Miguel Ângelo da Silva Franco, 10 anos, que levou o neto de carro para a escola. “É uma excelente iniciativa da equipe da CMTT de estar periodicamente nas escolas fazendo esse trabalho de orientação.” Ele ressaltou ainda que o neto sempre chama sua atenção quando não para na faixa de pedestre ou ultrapassa o sinal vermelho.

Continuar Leitura

Em alta