Connect with us

Mundo

Engenheiro de 82 anos cria máquina capaz de produzir água até mesmo no deserto

Publicado

em

Um dos maiores desafios do nosso tempo e das futuras gerações será a crescente escassez de água. Para evitar uma crise de ordem planetária, muitas pessoas e organizações estão se unindo desde já, pensando em soluções por vezes mais simples do que imaginamos.

Por exemplo, o engenheiro Enrique Veiga, de 82 anos, criou no final dos anos 90 uma máquina capaz de produzir 5 mil litros de água potável transformada em ferramenta para combater a seca que atingiu grande parte do sul da Espanha na época.

A partir de sua invenção, Enrique fundou uma empresa que se dedica à criação de soluções para comunidades carentes, onde a água é sempre escassa. Nos últimos anos, ele conseguiu ajudar diferentes comunas espanholas e aldeias na Namíbia (África) e no Líbano (Oriente Médio).

Seu sonho é poder replicar sua máquina mundo afora, alcançando áreas inóspitas da América Latina, África e Ásia Central. “Quando instalamos a máquina nas aldeias que visitamos na Namíbia, eles ficaram maravilhados, não compreenderam, perguntaram de onde vinha a água”, lembrou o engenheiro.

Ele explica que sua invenção usa eletricidade para resfriar o ar e levar a água ao estado condensado. Enrique tem conseguido adaptá-la a diferentes contextos climáticos, seja em ambientes úmidos e frios ou quentes e secos.

As máquinas criadas pelo engenheiro de 82 anos podem operar em locais extremos, com temperaturas de 40 graus Celsius e umidade entre 10% e 15% (clima de deserto).

Hoje, a última versão da máquina catalisadora já consegue produzir até 5 mil litros de água, suficientes para abastecer uma vila inteira todos os dias.

Continuar Leitura
Clique para deixar um comentário

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mundo

Influenciadora usa sêmen para hidratar rosto e viraliza nas redes sociais

Publicado

em

Uma influenciadora dos Estados Unidos chamou a atenção de usuários mundiais do TikTok, após fazer uma declaração polêmica. Segundo Kelly Zolanski, ela usa o sêmen de um amigo para hidratar o rosto.

“É uma alternativa barata e caseira”, afirmou em vídeo.

Ela revelou que a vontade surgiu após saber sobre os nutrientes e proteínas que o sêmen possui. No vídeo, ela mostra a aplicação do produto, feito de esperma e hidratante facial que, segundo ela, ajuda a “disfarçar” o mau cheiro.

Segundo especialistas em dermatologia, a atitude é extremamente perigosa e não possui qualquer benefício para a saúde da pele. Não existe estudos que comprovem que o sêmen traz resultados positivos para o aspecto da pele ou seja benéfico. Mas, existem estudos que mostram que ele pode fazer mau e até transmitir algum tipo de IST (Infecções Sexualmente Transmissíveis).

Kelly, que é solteira, disse que recorreu a um amigo para tentar o truque de skincare. “Quando ele me entregou, disse que eu estava louca e riu de novo”, contou ela.

Ela também disse que guarda o líquido em potinhos na geladeira. “Eu moro sozinha, então, ninguém vai precisar ver quando estiver fazendo o café da manhã”, contou.

Continuar Leitura

Mundo

CEO da Pfizer diz que vacinação anual seria melhor do que reforços frequentes

Publicado

em

O presidente-executivo da Pfizer, Albert Bourla, disse no último sábado, 22, que a vacinação anual contra a covid-19 seria preferível à aplicação de doses mais frequentes na luta contra a pandemia de coronavírus. A vacina da Pfizer/BioNTech mostrou ser eficaz contra doenças graves e morte causadas pela variante Ômicron, mas menos eficaz na prevenção da transmissão.

Com o aumento de casos, alguns países expandiram os programas de reforço da vacina contra a covid-19 ou reduziram o intervalo entre as injeções, à medida que os governos lutam para reforçar a proteção.

Em uma entrevista ao N12 News, de Israel, Bourla foi perguntado se ele vê doses de reforço sendo administradas a cada quatro ou cinco meses regularmente. “Esse não será um bom cenário. O que eu espero é que tenhamos uma vacina que você terá que fazer uma vez por ano”, disse Bourla.

“Uma vez por ano é mais fácil de convencer as pessoas a tomar e é mais fácil para as pessoas lembrarem”, afirmou. “Do ponto de vista da saúde pública, é a situação ideal. Estamos procurando ver se podemos criar uma vacina que cubra a Ômicron e não esqueça as outras variantes. Isso pode ser uma solução”, disse.

Continuar Leitura

Mundo

Província canadense de Quebec taxará com novo imposto os não vacinados

Publicado

em

A província canadense de Quebec, paralisada pela propagação da variante ômicron, vai criar nas próximas semanas um novo imposto sanitário para quem não está vacinado contra a covid-19.

“Estamos trabalhando em uma contribuição de saúde para todos os adultos que se recusam a ser vacinados”, pois eles representam um “fardo financeiro para todos os quebequenses”, disse o primeiro-ministro de Quebec, François Legault.

Para ele, os 10% dos habitantes da província que ainda não receberam uma dose do imunizante não devem “prejudicar” os 90% que já se vacinaram.

“Não cabe a todos os quebequenses pagar por isso”, afirmou durante uma coletiva de imprensa, e especificou que o governo da província quer que o imposto represente uma “quantidade significativa”.

“Sinto certo descontentamento com a minoria não vacinada que, considerando tudo, obstrui nossos hospitais”, acrescentou.

O primeiro-ministro de Quebec explicou que esses 10% de adultos não vacinados representam 50% das pessoas em unidades de terapia intensiva, situação que descreveu como “chocante”.

Em uma tentativa de conter a nova onda, Quebec anunciou em 30 de dezembro o retorno de algumas restrições, incluindo um toque de recolher às 22h e a proibição de reuniões privadas.

No total, 2.742 pessoas com covid estão hospitalizadas e cerca de 255 pessoas estão em terapia intensiva em Quebec, que tem cerca de 8 milhões de habitantes.

As hospitalizações também continuam a aumentar na província vizinha de Ontário, a mais populosa do Canadá, com 3.220 pessoas internadas e 477 em terapia intensiva.

Continuar Leitura

Em alta