Connect with us

Mundo

Homem ganha na loteria e morre afogado com bilhete premiado na carteira

Publicado

em

Um homem que ganhou na loteria £ 33.500 (211 mil reais) se afogou com o bilhete premiado antes de poder sacá-lo. Gregory Jarvis, 57, foi encontrado morto em uma praia particular em Caseville, em Michigan, nos EUA.

Segundo o jornal The Mirror , Jarvis ainda estava com o prêmio na carteira quando se afogou. Ele ainda teria tentado resgatar o prêmio antes de sua morte, conta a imprensa de Michigan, mas não conseguiu, pois não tinha um cartão do Seguro Social.

“Ele não pôde sacar porque não tinha nenhum cartão da Previdência Social, não era bom, então ele solicitou um novo”, disse amiga de Jarvis e dona do bar que ele frequentava.

Gregory Jarvis teria solicitado o cartão, mas foi encontrado morto antes que chegasse pelo correio. O ganhador recebeu o prêmio de um clube chamado ‘The Jack’. Segundo amigos, ele tinha planos de visitar sua família com o dinheiro.

O corpo foi encontrado ao lado de um barco. Para a polícia de Caseville, Jarvis provavelmente escorregou e caiu na água enquanto tentava amarrar o barco.

Continuar Leitura
Clique para deixar um comentário

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Guia Sou Mais

Descobertas bizarras encontradas em lugares mais que inesperados

De tumbas em praias a trens debaixo d’água

Publicado

em

Muitas descobertas fascinantes foram feitas ao longo dos anos. Mas, às vezes, elas podem ser um bocado intrigantes (para dizer o mínimo), especialmente quando aparecem nos lugares mais inesperados. Afinal, como que um trem foi parar de baixo d’água (um não, dois), não é mesmo? Clique na galeria e descubra algumas coisas realmente estranhas que foram encontradas nos mais inesperados lugares.

Continuar Leitura

Guia Sou Mais

Homem agride e cospe em jovem que usava saia ‘muito curta’ na França

O caso aconteceu em Saint-Étienne, cidade próxima a Lyon, na região central do país

Publicado

em

MADRI, ESPANHA (FOLHAPRESS) – Um novo ataque com motivações sexuais veio à tona nesta sexta-feira (12) na França, dias depois de uma turista americana ser estuprada dentro de um banheiro público às margens do rio Sena, em uma região movimentada de Paris.

O novo episódio, envolvendo uma jovem de 21 anos agredida em um trem, ocorreu no último dia 4, mas só agora foi noticiado. O caso aconteceu em Saint-Étienne, cidade próxima a Lyon, na região central do país.

A vítima estava em um trem regional quando foi abordada pelo homem, que a questionou sobre o comprimento de sua roupa. Segundo testemunhas, a jovem gritou em resposta, perguntando se ele nunca havia visto uma mulher de saia. O agressor, de 31 anos, que estaria visivelmente embriagado, então cuspiu e deu um tapa na cara dela.

A jovem pediu ajuda aos agentes da estação, que conseguiram agarrar o sujeito enquanto ele tentava fugir em uma scooter.

Os ataques trazem de volta aos holofotes estatísticas divulgadas pelo Ministério do Interior francês no início do ano: o país teve um crescimento de 33% de ataques com motivações sexuais em 2021, em relação a 2020.

Segundo dados da polícia, os estupros e tentativas de estupro aumentaram de cerca de 26 mil para 34 mil. Outras agressões sexuais, categoria que inclui o assédio, aumentaram de 31 mil para 41,5 mil.

Em relação a cinco anos atrás, 2016, os números de hoje são o dobro. A pasta fez a ressalva de que o aumento dos dados envolve também declarações de fatos antigos, que não haviam sido denunciados pelas vítimas quando aconteceram.

No caso da turista americana de 27 anos, ela estava em um local bastante movimentado e considerado seguro, muito próximo à catedral de Notre Dame. A área às margens do rio Sena costuma ser palco de eventos, com muitos parisienses tomando drinques ou fazendo piqueniques, especialmente na temporada de verão do hemisfério Norte.

No início do último domingo, por volta de 1h30 (horário local), ela parou para usar um banheiro público. Após uma espera que lhe pareceu demasiado longa, seu parceiro se aproximou do banheiro e ouviu sons de choro. Agentes de segurança dos bares da região ajudaram o rapaz a interromper o ataque e chamaram a polícia, que prendeu o estuprador.

O homem de 23 anos declarou inicialmente que a vítima havia consentido com a relação, mas foi preso por estupro. Ele não tinha documentos e teria se declarado argelino.

Apesar de o ministério relativizar o aumento dos casos de estupro, o relatório também revelou um aumento de violência doméstica no país. O número total de vítimas de agressão intencional e espancamento (em pessoas com 15 anos ou mais) aumentou 14%. Foram 307 mil em 2021, contra 274 mil em 2020.
Por outro lado, o relatório apresentou queda nos assaltos (25% a menos nos últimos quatro anos) e estabilidade no número de furtos e roubo de veículos.

Continuar Leitura

Guia Sou Mais

Johnson & Johnson anuncia que vai parar de vender talco no mundo em 2023

A decisão vai passar a valer em 2023

Publicado

em

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) – A Johnson & Johnson anunciou que vai parar de vender no mundo inteiro o pó de talco para bebês, produto tradicional da marca.

A decisão vai passar a valer em 2023, e acontece após as vendas serem interrompidas nos Estados Unidos e no Canadá ainda em 2020, após dúvidas sobre a segurança no produto e a falta de interesse do público.

A empresa enfrenta processos judiciais de mulheres que alegaram que usaram o produto por anos, mas tiveram problemas com o talco. A Johnson & Johnson afirma que o produto é seguro.

“Como parte da nossa reavaliação de portfólio global, tomamos a decisão de transacionar os produtos para pó de bebês com base em amido de milho”, diz a empresa.

A empresa já tinha enfrentado a queda na demanda do produto em 2020 na América do Norte, afirmando que a desinformação e a divulgação do processo foram responsáveis pela falta de interesse.

Alguns processos alegam que o talco, feito de um mineral de origem secundária a partir de silicato de magnésio hidratado, pode causar inflamações e gerar câncer.

Outros afirmam que o talco apresenta amianto, produto que também possui relação com o câncer e era utilizado nas construções civis do século 20. A empresa nega.

Continuar Leitura

Em alta