Connect with us

Economia

Ecossistema de fidelidade do Sicoob conta com mais de 2 milhões de participantes

Publicado

em

O Sicoob criou o seu próprio ecossistema de fidelidade, unindo programa de pontos e marketplace, batizado de Coopera. Com o objetivo de oferecer mais conveniência e assim estreitar o relacionamento com seus cooperados, o lançamento da plataforma é o primeiro de um conjunto importante de movimentos que a instituição cooperativa está preparando no mundo digital.

De acordo com Marcos Vinicius Viana Borges, diretor de Operações do Sicoob, a ideia é que o cooperado encontre tudo o que precisar no Coopera, tudo mesmo, isso vale para produtos financeiros e não financeiros. “O mais importante é que o cooperado descubra no Sicoob um parceiro para a vida, que entende suas necessidades e viabiliza seus negócios. Na hora do checkout, o Sicoob quer estar lá também, caso ele precise de uma forcinha no crédito”, pontuou o executivo.

De acordo com o Sicoob, o Coopera superou a marca de 2 milhões de participantes em menos de 4 meses de operação, tendo atraído inúmeros parceiros do varejo brasileiro, como Magalu, Philco, Britânia, CiaToy, Pernod Ricard, Dular, entre tantos outros de renome nacional.

A plataforma oferece mais de 50 mil produtos e serviços e inova ao possibilitar a realização de compras com pontos e/ou cartão de crédito. Os participantes também podem transferir pontos entre si ou para outros programas de fidelidade como Latampass, Smiles e Tudo Azul.

Para quem é cooperado do Sicoob, existem mais opções de resgate: os pontos Coopera podem ser trocados por crédito na fatura do cartão SicoobCard, aportes na conta capital e previdência privada.

Para ganhar pontos Coopera, as pessoas devem se associar ao Sicoob, seja de forma digital ou presencial, por meio dos aproximadamente 3,5 mil pontos de atendimento da instituição distribuídos pelo país. Quanto maior o relacionamento com a cooperativa, maiores as possibilidades de ganhos.

“Queremos que o Coopera seja também um lugar de troca de informações e experiências, onde compradores e vendedores se encontram para realizarem os seus negócios com segurança. O leque de possibilidades é imenso, e vale para mundo físico também. É só o começo e muitas novidades virão”, concluiu o diretor. Acesse: https://www.shopcoopera.com.br/.

Sobre o Sicoob – Instituição financeira cooperativa, o Sicoob tem mais de 5 milhões de cooperados e está presente em todos os estados brasileiros e no Distrito Federal. Oferecendo serviços de conta corrente, crédito, investimento, cartões, previdência, consórcio, seguros, cobrança bancária, adquirência de meios eletrônicos de pagamento, dentre outras soluções financeiras, o Sicoob é a única instituição financeira presente em mais de 300 municípios. É formado por mais de 370 cooperativas singulares, 16 cooperativas centrais e pelo Centro Cooperativo Sicoob (CCS), composto por uma confederação e um banco cooperativo, além de processadora e bandeira de cartões, administradora de consórcios, entidade de previdência complementar, seguradora e um instituto voltado para o investimento social. Ocupa a segunda colocação entre as instituições financeiras com maior quantidade de agências no Brasil, segundo ranking do Banco Central, com 3.480 pontos de atendimento. Acesse https://www.sicoob.com.br para mais informações.

Continuar Leitura
Clique para deixar um comentário

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Economia

Leilão do Rodoanel Norte de SP fica para janeiro de 2023

O investimento previsto é de R$ 3,4 bilhões, sendo R$ 2 bilhões para execução das obras remanescente…

Publicado

em

O governo de São Paulo publicou um novo edital de concessão do trecho norte do Rodoanel Mário Covas, após adiamento do leilão em abril deste ano devido à “crise econômica”. O certame está marcado para 12 de janeiro de 2023, na sede da B3. O investimento previsto é de R$ 3,4 bilhões, sendo R$ 2 bilhões para execução das obras remanescentes.

A concessão possibilitará a retomada das obras do trecho do anel viário, que estão paradas desde 2018. Cerca de R$ 1,8 bilhão será destinado à operação e manutenção do trecho durante todo o período do contrato, de 31 anos.

O leilão previsto para abril foi suspenso pelo governo devido às incertezas geradas pelo cenário macroeconômico e pela alta de preços dos insumos. “Nos últimos meses, equipes técnicas trabalharam no aperfeiçoamento da modelagem do edital para tornar a concessão mais atrativa e dar mais garantias e segurança aos investidores, sem o acréscimo de despesas desnecessárias, favorecendo o interesse público do projeto”, afirma em nota a Artesp, agência reguladora do Estado.

Com a suspensão do leilão, os parâmetros para a concessão foram atualizados. A data-base do estudo de viabilidade foi revisada de setembro de 2021 para março de 2022. Conforme comunicado, houve ajustes de alguns pontos do edital com o objetivo de ampliar a sua competitividade e a atratividade, além de mitigação dos riscos. Nesse processo, os técnicos tiveram a assessoria do International Finance Corporation (IFC), braço do Banco Mundial.

No novo edital, houve ampliação dos prazos para elaboração da proposta (que passou de 90 para 150 dias) e de pré-construção (que passou de seis meses para 12 meses). Segundo a Artesp, também foram alterados mecanismos referentes a vícios ocultos nas obras e à metodologia de avaliação da situação atual do trecho.

“Realizamos uma revisão profunda no edital para poder aperfeiçoar o modelo diante do cenário econômico atual e, com isso, concluir o processo de licitação para a retomada das obras”, afirma o secretário estadual de Logística e Transportes, João Octaviano Machado Neto.

O trecho norte do Rodoanel terá 44 quilômetros de extensão no eixo principal, 3 ou 4 faixas por sentido e sete túneis duplos. Com a conclusão das obras, o Rodoanel terá 177 quilômetros. A expectativa do governo de São Paulo é que a conclusão do trecho traga a redução de circulação de 18 mil caminhões por dia na capital, com mais rapidez para cruzar a região metropolitana no acesso a Santos, além da geração de mais de 15 mil empregos.

“A nossa expectativa é atrair investidores nacionais e internacionais e, para isso, trabalhamos em uma modelagem com mecanismos contratuais inovadores para garantir segurança jurídica aos investidores”, afirma o secretário de Projetos e Ações Estratégicas do governo, Rodrigo Maia.

Continuar Leitura

Economia

Aramco tem lucro recorde de US$ 48,4 bi no 2º trimestre

É o maior lucro líquido trimestral que a Aramco registrou desde que começou a negociar suas ações na…

Publicado

em

A Aramco, companhia nacional de petróleo da Arábia Saudita, reportou lucro de US$ 48,4 bilhões no segundo trimestre de 2022, um salto de 90% em relação ao mesmo período do ano anterior. É o maior lucro líquido trimestral que a Aramco registrou desde que começou a negociar suas ações na bolsa de valores saudita em 2019.

De acordo com o informado pela companhia neste domingo, o aumento se deve aos preços mais altos do petróleo e ao lucro mais forte do refino. A Aramco também informou que continuará pagando um dividendo trimestral de US$ 18,75 bilhões, um valor com o qual se comprometeu antes da listagem em 2019.

Embora a Arábia Saudita tenha buscado diversificação, criando novas indústrias, como turismo, mineração e fabricação de automóveis, a Aramco continua sendo o motor da economia do país, que é o maior exportador de petróleo do mundo. O dinheiro gerado pela petrolífera tem sido usado para impulsionar projetos de desenvolvimento, propostos pelo príncipe herdeiro Mohammed bin Salman.

Os grandes ganhos da Aramco ocorrem em meio a um ressurgimento diplomático de Mohammed, agora cortejado por autoridades como o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, que se encontrou com o príncipe no mês passado.

Dias depois, Mohammed conversou com o presidente russo, Vladimir Putin, e fez sua primeira viagem à Europa em quase quatro anos. O movimento se dá após retaliações de governos ocidentais, que passaram a evitar o líder saudita depois do assassinato do jornalista Jamal Khashoggi em 2018.

Fonte: Dow Jones Newswires

Continuar Leitura

Economia

Brasileiros entram na lista do calote por deixar de pagar gasto com alimento

A disparada da inflação e a queda na renda explicam a entrada de devedores para lista do calote pelo…

Publicado

em

A fatia de brasileiros que engrossou a lista de inadimplentes pela falta de pagamento de despesas com comida, entre janeiro e junho, foi a maior em cinco anos. A disparada da inflação e a queda na renda explicam a entrada de devedores para lista do calote pelo não pagamento da fatura de um item básico.

No primeiro semestre, 18% dos inadimplentes deixaram de quitar despesas com alimentação e, por isso, foram parar na relação dos CPFs (Cadastro de Pessoa Física) com restrição. Essa é a marca mais elevada desde o primeiro semestre de 2017, quando a Boa Vista, empresa de inteligência financeira e análise de crédito, começou a coletar essas informações. Ao longo do primeiro semestre, foram consultados eletronicamente 1.500 inadimplentes, a fim de traçar o perfil desses consumidores.

Contas diversas não pagas, que incluem as de educação, saúde, impostos, taxas e lazer, ainda têm sido apontadas como as despesas que têm levado a maioria dos consumidores (23%) à inadimplência. No entanto, desde o segundo semestre do ano passado, a parcela dos que não conseguiram honrar o pagamento de alimentos chama atenção.

“Instituições financeiras nos relatam que o pessoal está pegando dinheiro (crédito) para pagar contas do mercado, do dia a dia”, diz o economista da Boa Vista, Flávio Calife.

Nos últimos 12 meses até julho, a inflação do grupo alimentação e bebidas acumula 14,72%, de acordo com o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a inflação oficial apurada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). É um resultado que supera a variação do indicador como um todo no período, que foi de 10,07%.

Depois do desemprego, historicamente o principal motivo para inadimplência, apontado por 28% dos entrevistados no primeiro semestre, está a diminuição da renda, com 24%. Do segundo semestre do ano passado para o primeiro deste ano, a parcela que apontou esse motivo para o não pagamento de contas subiu 3 pontos porcentuais. “É, sem dúvida, um fato de um ano para cá”, diz o economista.

ENDIVIDAMENTO CRÔNICO

A percepção dos entrevistados é de que o quadro do endividamento pessoal piorou muito. Do segundo semestre do ano passado para o primeiro deste ano, a parcela de consumidores que se considera muito endividada subiu de 32% para 37%, a maior marca desde 2019, quando esse resultado atingiu 39%.

Na semana passada, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central elevou para 13,75% a taxa de juros básica da economia, a Selic. Foi a 12ª alta consecutiva na tentativa de segurar a inflação. Também sinalizou que poderá fazer nova elevação da Selic na próxima reunião, marcada para setembro.

Com juros e inflação ainda em alta e atividade fraca, a perspectiva, segundo o economista da Boa Vista, é de que a inadimplência continue crescendo nos próximos meses até o ano que vem. “Juros altos contribuem para piora da inadimplência”, diz Calife. Dados da Boa Vista, mostram que o calote encerrou o primeiro semestre deste ano com alta de 12,3% e em 12 meses até junho o avanço foi de 7,5%.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Continuar Leitura

Em alta