Connect with us

Mundo

Britânico é primeiro do mundo a ganhar prótese ocular impressa em 3D

Publicado

em

Steve Verze, engenheiro de 47 anos, de Hackney, fez o implante no Moorfields Eye Hospital, em Londres, para colocar a prótese no olho.

“Desde os 20 anos eu precisava de uma prótese de olho, e sempre me senti constrangido”, disse Verze.

Quando saía de casa, muitas vezes dava uma segunda olhada no espelho e não gostava do que via. Este novo olho está fantástico e, por ser baseado na tecnologia de impressão digital 3D, só vai ficar melhor e melhor.”

O Hospital informou à imprensa que trata-se da primeira prótese ocular totalmente digital criada para um paciente. A cirurgia foi na última quinta-feira, 25.

Alta definição

“Um olho impresso em 3D é uma verdadeira biomímica e uma prótese mais realista, com definição mais clara e profundidade real para a pupila”, explicou o hospital em um comunicado à imprensa .

“Ao contrário dos métodos tradicionais, ele usa varreduras do olho em vez de um molde invasivo da órbita do olho, tão difícil para as crianças que podem precisar de uma anestesia geral”.

O processo de produção também é muito mais rápido do que os olhos protéticos de acrílico tradicionais, que são pintados à mão e podem levar meses para serem concluídos.

Animados com o resultado

O professor Mandeep Sagoo, chefe clínico do projeto no Moorfields Eye Hospital e professor de oftalmologia e oncologia ocular na University College London, disse estar “animado” com o potencial do novo método de desenvolvimento.

“Esperamos que o próximo ensaio clínico nos forneça evidências robustas sobre o valor desta nova tecnologia, mostrando a diferença que faz para os pacientes. Ela tem claramente o potencial de reduzir as listas de espera”, disse Sagoo.

Continuar Leitura
Clique para deixar um comentário

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mundo

Influenciadora usa sêmen para hidratar rosto e viraliza nas redes sociais

Publicado

em

Uma influenciadora dos Estados Unidos chamou a atenção de usuários mundiais do TikTok, após fazer uma declaração polêmica. Segundo Kelly Zolanski, ela usa o sêmen de um amigo para hidratar o rosto.

“É uma alternativa barata e caseira”, afirmou em vídeo.

Ela revelou que a vontade surgiu após saber sobre os nutrientes e proteínas que o sêmen possui. No vídeo, ela mostra a aplicação do produto, feito de esperma e hidratante facial que, segundo ela, ajuda a “disfarçar” o mau cheiro.

Segundo especialistas em dermatologia, a atitude é extremamente perigosa e não possui qualquer benefício para a saúde da pele. Não existe estudos que comprovem que o sêmen traz resultados positivos para o aspecto da pele ou seja benéfico. Mas, existem estudos que mostram que ele pode fazer mau e até transmitir algum tipo de IST (Infecções Sexualmente Transmissíveis).

Kelly, que é solteira, disse que recorreu a um amigo para tentar o truque de skincare. “Quando ele me entregou, disse que eu estava louca e riu de novo”, contou ela.

Ela também disse que guarda o líquido em potinhos na geladeira. “Eu moro sozinha, então, ninguém vai precisar ver quando estiver fazendo o café da manhã”, contou.

Continuar Leitura

Mundo

CEO da Pfizer diz que vacinação anual seria melhor do que reforços frequentes

Publicado

em

O presidente-executivo da Pfizer, Albert Bourla, disse no último sábado, 22, que a vacinação anual contra a covid-19 seria preferível à aplicação de doses mais frequentes na luta contra a pandemia de coronavírus. A vacina da Pfizer/BioNTech mostrou ser eficaz contra doenças graves e morte causadas pela variante Ômicron, mas menos eficaz na prevenção da transmissão.

Com o aumento de casos, alguns países expandiram os programas de reforço da vacina contra a covid-19 ou reduziram o intervalo entre as injeções, à medida que os governos lutam para reforçar a proteção.

Em uma entrevista ao N12 News, de Israel, Bourla foi perguntado se ele vê doses de reforço sendo administradas a cada quatro ou cinco meses regularmente. “Esse não será um bom cenário. O que eu espero é que tenhamos uma vacina que você terá que fazer uma vez por ano”, disse Bourla.

“Uma vez por ano é mais fácil de convencer as pessoas a tomar e é mais fácil para as pessoas lembrarem”, afirmou. “Do ponto de vista da saúde pública, é a situação ideal. Estamos procurando ver se podemos criar uma vacina que cubra a Ômicron e não esqueça as outras variantes. Isso pode ser uma solução”, disse.

Continuar Leitura

Mundo

Província canadense de Quebec taxará com novo imposto os não vacinados

Publicado

em

A província canadense de Quebec, paralisada pela propagação da variante ômicron, vai criar nas próximas semanas um novo imposto sanitário para quem não está vacinado contra a covid-19.

“Estamos trabalhando em uma contribuição de saúde para todos os adultos que se recusam a ser vacinados”, pois eles representam um “fardo financeiro para todos os quebequenses”, disse o primeiro-ministro de Quebec, François Legault.

Para ele, os 10% dos habitantes da província que ainda não receberam uma dose do imunizante não devem “prejudicar” os 90% que já se vacinaram.

“Não cabe a todos os quebequenses pagar por isso”, afirmou durante uma coletiva de imprensa, e especificou que o governo da província quer que o imposto represente uma “quantidade significativa”.

“Sinto certo descontentamento com a minoria não vacinada que, considerando tudo, obstrui nossos hospitais”, acrescentou.

O primeiro-ministro de Quebec explicou que esses 10% de adultos não vacinados representam 50% das pessoas em unidades de terapia intensiva, situação que descreveu como “chocante”.

Em uma tentativa de conter a nova onda, Quebec anunciou em 30 de dezembro o retorno de algumas restrições, incluindo um toque de recolher às 22h e a proibição de reuniões privadas.

No total, 2.742 pessoas com covid estão hospitalizadas e cerca de 255 pessoas estão em terapia intensiva em Quebec, que tem cerca de 8 milhões de habitantes.

As hospitalizações também continuam a aumentar na província vizinha de Ontário, a mais populosa do Canadá, com 3.220 pessoas internadas e 477 em terapia intensiva.

Continuar Leitura

Em alta